quinta-feira, 26 de março de 2015

Bakuman – Spoilers

Sempre tenho uma sensação estranha quando acabo de ler alguma coisa. E tenho também vontade de escrever textos enormes sobre isso. Esse post de hoje é sobre Bakuman, é um texto repleto da minha opinião pessoal e de spoilers.

Futuramente separarei spoilers, resenhas, mangá e anime de forma organizada. Mas por agora, as coisas vão ficar assim.

Agora vamos falar sobre Bakuman. Nesse mangá você encontra:

Pessoas usando frases legais de outras pessoas sem dar os devidos direitos autorais.
Yoshida conversando com Yamahisa...
... e aí, quando é indagado pelo Kazuya...





Pedidos de casamentos inusitados.

Como esse...

... ou esse.

Coincidências que não são tão coincidência assim.

Niizuma Eiji

Mitsutoshi Shimabukuro - autor de Toriko


E pessoas um pouquinho sentimentais.



Enrolei bastante para concluir essa leitura, principalmente pelas partes maçantes. Entretanto, no meio de coisas que podem ser consideradas desnecessárias, tem uma história muito boa.

Para quem quer ter uma ideia de como funciona o mundo editorial por trás dos mangás, Bakuman é uma grande leitura. Muitas dúvidas de como criar uma história, seus pontos fracos e fortes, como publicar e tantas outras, são inseridas naturalmente no enredo do mangá, e quando você percebe está manjando dos paranauê. Teoricamente, claro.

Às vezes pode ser fácil apontar seu personagem favorito, mas quando se trata de Bakuman, acho isso bastante complicado. Gosto muito do Eiji, mas gosto principalmente da Kaya-chan.

O Eiji é todo auto confiante e tem muito talento. A forma como ele se coloca como rival do Ashirogi e os incentiva através disso é muito legal. Embora no Brasil a maioria das pessoas fiquem com inveja quando alguém vai melhor em algo, esse espírito de “Eu posso superá-lo” é louvável – e de longe, muito mais bonito.

A Kaya-chan é aquela pessoa apoiadora. Ela pode parecer comum e não muito inteligente, mas ter alguém como ela na vida faz toda diferença. Às vezes estamos desanimados de tudo, e quando essa pessoa que está ali para nos incentivar solta suas palavras de estímulo, nos sentimos melhores. Só acho. Se bem que sou meio suspeita, porque eu me identifico com ela. Hahaha

Gostei bastante da história e acho que atingiu bem seu objetivo. Não é algo que você leia e sinta que deixou a desejar. O final foi bem desenvolvido e o óbvio aconteceu: Miho conseguiu o papel de dubladora da heroína em um grande sucesso escrito por Ashirogi Muto, ou em outras palavras, desenhado por Mashiro. Mais interessante do que chegar nesse ponto óbvio, foi como chegaram. A construção foi boa a ponto de eu sentir uma lagriminha se formando no cantinho do olho quando vi isso:

Quando todos achavam que ela só faria o papel por ser namorada do autor,
ela mostra o que é ter talento para a coisa

E só um conselho que vale não apenas para Bakuman, mas para todos os mangás/animes que você for ver: conheça a cultura japonesa. Não acho que quem gosta de anime obrigatoriamente tem que idolatrar o Japão, mas é claro que quando você conhece a cultura nipônica, você enxerga as histórias com outros olhos. É legal captar referências, reconhecer lendas e crenças na história sem precisar daquela notinha no canto da página do mangá. Eu, pelo menos, me sinto feliz com isso.


E vocês? O que acharam quando leram Bakuman? Quais foram suas partes e personagens favoritos?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por ler!

Seja educado
Deixe seu link para que eu possa visitá-lo
Sinta-se livre para compartilhar as postagens, mas dê os devidos créditos

Até a próxima!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 renata massa